Textos


 
A ONÇA IGUAÇU
Ela acordou. Era um dia quente de verão Espreguiçou-se, rosnando agudamente como se fosse o despertador dos bichos menores ou quem sabe era essa mesma sua maneira de dizer bom dia ao Parque Nacional do Iguaçu.
Olhou a mata com pesar e pensou:
Os homens não contentes em viver em recessão, estão tomando conta do nosso espaço também. As árvores derrubadas a cada dia, animais mortos pelos calçadores ,logo não teremos nada para comer. Com raiva , rosnou mais alto ainda e, se um humano passasse perto dela , com certeza seria seu café da manhã.
Essa onça pensante,não se chamava Pintada, como todas as onças das histórias por aí. Ela era muito charmosa para ter um nome comum.Ela usava até tornozeleira com as inscrições de seu nome e suas características .
Um a bióloga acompanha todos seus passos e história. Por tudo isso eu a chamei de Onça Iguaçu. Gostou?
Agora que nossa onça tem um nome, vamos a história?
Ela cresceu feliz no parque, bem pertinho das Cataratas do Iguaçu.Comia ali por perto e bebia a límpida água de uma cachoeira. As vezes , Iguaçu se atrevia a chegar bem perto da rodovia,onde milhares de turistas de todo o mundo passam de carro, observando seu ‘HABITAT”.. Antes com admiração, hoje, com críticas sobre a depredação da natureza.
AH! Como eu gostaria de um dia poder desfilar a toda aquela gente e exibir minha majestade selvagem, num rebolado bem ensaiado. Pensamento logo afastado ,pois sabia que humanos morrem de medo de onças.E o medo os levam a matar-nos com espingardas horríveis
Diferente de nós que só matamos para comer. Homens matam por medo ou para exibir-se.Ás vezes jogam nossa carne fora.
É, preciso trabalhar .Comeu alguma coisa que encontrou por ali e começou sua caminhada. Logo encontrou dois guardas florestais que comentavam sobre uma convenção onde seriam abordados,problemas com ecologia e meio ambiente.
.Príncipes , ambientalistas e autoridades do mundo inteiro vem em luta pelo tema –defesa do meio ambiente.
Iguaçu ficou muito feliz com essa notícia e, correndo foi contar tudo para sua amiga Clarinha(uma bonita onça, bem mais jovem que Iguaçu).Por ter a pele de um amarelo claro, recebeu o nome de Clarinha.
Clarinha desconfiado rebateu a notícia.
-Não acredito muito nessa história .Essa gente vem pra só pra fazer turismo.Já devastaram toda a mata em seu país, agora vem dar uma de bonzinhos.
-Iguaçu rebate:
Pois eu não acho isso não, imagine! Turismo? Só na sua cabeça , Clarinha
Aínda temos gente séria que pensa em defender o meio ambiente , a flora a fauna e principalmente os animais Só não concordei com a cidade .
-Por que ? Fala que cidade você acha que deveria ser escolhida para essa Convenção?
- Você não pensou ela?
Eu digo- Curitiba. Ela é toda verdinha. Lá há muitos bosques ,áreas verdes ,respira tão bem .Já foi chamada de Cidade Sorriso.
Clarinha era teimosa e rebateu:
-Pois aqui temos muita água e água também é importante.
Iguaçu não quis discutir .Continuou sua caminhada Andou bastante ,comeu, tomou água e resolveu tirar uma soneca embaixo de um frondosa árvore. Logo ouve a voz irritante de uma macaquinha sua conhecida -Iguaçu, Iguaçu!
-Sabe da Convenção?
Claro Xica, sou uma onça bem informada.
Iguaçu, explicou tudo que sabia para Xica, despediu-se dela e foi fazer suas visitas diárias;.Dei ordens , amedrontou bichos menores com seu tamanho e divertiu-se com isso.

Já cansada das tarefas ,olhou para o relógio Sol. Ele se afastava pouco a pouco dando lugar a Lua .Iguaçu resolveu recolher-se e dormir. Afofou umas folhas , amaciando sua improvisada cama. As rãs coaxavam, Outros bichos faziam barulho .Logo tudo silenciou.
Tirou uma pequena soneca ,mas tinha o sono leve. Um farfalhar de folhas a colocou em alerta.Iguaçu preparou as garras. O barulho se aproximava mais e mais. Suas enormes orelhas procuravam a direção do barulho.Logo, um passo à direita e ploft...
Foram poucos passos na noite escura e Iguaçu sente suas patas presas a uma armadilha.Esforça-se para desvencilhar, rosna alto mas não consegue sair dali.. Furiosa , ouve gargalhadas. Dois caçadores com espingardas miravam seu corpanzil ,agora indefeso, preso na armadilha..
Nada podia fazer ,rosnou,rosnou e esperou a morte.
Os lábios do homem se abriram num sorriso tétrico. Um estrondo e era uma vez uma onça chamada Iguaçu.
Dias depois uma jovem bióloga dava uma entrevista na televisão, com detalhes narrou a morte de Iguaçu e os danos provocados em sua pesquisa, A perneira da onça era o que lhe restava .Com isso pode salvar dados sobre a vida de IGUAÇU.
O IBAMA também investigava a morte de Iguaçu, O caçador fugiu da cidade mas outros viriam, com certeza.
Um dia, um dos guardas do Parque ,fazendo uma de suas pesquisas entra em uma casa na região próxima ao parque.. Curiosamente na sala está um couro de onça na parece , esticado em uma madeira de lei como um . .Ele pergunta :
- Há um caçador aqui?
A mulher disfarça, diz que foi um presente mas seu filho de cinco anos orgulhosamente diz:.
- Não seu guarda ,foi papai que caçou ela era enorme. Tinha um nome até.
-Iguaçu,? Pergunta o guarda ?
-É esse mesmo ,.Papai tirou a tornozeleira dela e jogou na mata..
O menino continua. Fiquei com pena dela .Não gosto que matem bicho.
Quando crescer quero ser biólogo ,igual meu tio ou guarda florestal como o senhor que defende os animais.
Ironia?
O guarda emocionado diz:
-Você faz muito bem, garoto. Torço para que seja um ótimo biólogo e quem sabe um ótimo colega meu. Eu já velhinho e você um jovem biólogo ou guarda florestal.
Emocionado abraça o garoto e pensa:
Nem tudo está perdido.

 
vera lucia Calza
Enviado por vera lucia Calza em 07/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr